Expectativas futuras na Construção Civil para 2014 com base em 2013

 

Com o fim de 2013 chegando começou a época das retrospectivas. Não é à toa que as instituições de classe se reúnem para falar dos pontos positivos, negativos e as perspectivas para ano que está por vir, é nesse momento que são comprovados ou não as expectativas passadas, assim como também pensar em um plano de ações para o futuro.

Na indústria da construção isso acontece através dos sindicatos, federações, câmaras, entre outros órgãos. Esse ano, seguindo a tradição, houve o 85º ENIC – Encontro Nacional da Indústria da Construção, que aconteceu em Fortaleza do dia 02 a 04 de outubro, abordando algumas questões referentes ao setor. Segundo a organização do evento os assuntos tratados foram a burocracia que limita as atividades de construção civil, com o painel Barreiras Regulares e Burocráticas na Competitividade da Construção Civil Brasileira. Outros aspectos discutidos foram a chamada especulação imobiliária e as mudanças que ocorreram no Brasil nos últimos anos e de que forma a construção civil pode acompanhá-las.
Durante o ENIC Fortaleza, o presidente da CBIC – Câmara Brasileira da Indústria da Construção, Paulo Safady Simão, ressaltou o bom momento que o Brasil está, a estabilidade econômica, o reconhecimento internacional e o amadurecimento do país como um todo, mas também frisou que toda a nova conquista representa um desafio a ser vencido.
Sobre a Construção, Safady falou que o setor é estratégico para o Brasil, pois só assim o país conseguirá responder a demanda de infraestrutura da população, como por exemplo, construção de novas escolas e creches, melhores hospitais, erradicação do déficit habitacional, melhoria imediata de toda nossa infraestrutura, entre outros desafios que têm como elementos chaves para a solução a Indústria da Construção e do Mercado Imobiliário.
O Presidente da CBIC também falou do outro lado da moeda, que apesar de vivermos o bom momento, é inviável para a Construção continuar crescendo de maneira constantes que vêm crescendo nos últimos anos, quando conta com um ambiente de negócios arcaico. Para ele são muitos gargalos que se colocam à frente de qualquer cadeia produtiva, o que propaga uma enorme insegurança e baixo desenvolvimento na economia do país.
Então é muito importante que haja uma mudança na área tributária, na política, na área trabalhista, no Poder judiciário e promover uma ampla mudança cultural na indústria da construção, caso contrário o setor passará por dificuldades no futuro. Desde o início do último semestre do ano algumas boas notícias surgiram.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *